Como Os Jornais Eram Feitos Na Década De 70

Essas são as fotos originais de Dan Wybrant, mostrando a composição e paste-up de um jornal na década de 70. Apesar dessas fotos serem bem interessantes de se ver, acho que todos agradecemos a existência dos computadores nos dias de hoje.

Então, a história é digitada em um teclado Friden perfurador de fita. O datilógrafo deve digitar “cego”, pois não há exibição do resultado em vídeo. A máquina perfura as fitas de papel, fazendo de 1 a 6 furos na fita para cada letra digitada. Um datilógrafo pode corrigir erros apenas a última letra digitada. Tipógrafos que poderiam produzir cópias limpas no sistema eram considerados milagrosos!

Este é o coração do sistema perfurador de fita Friden.

Em seguida, um operador de máquina tipográfica corria a fita através de uma fotocompositora 2961 Compugraphic, que lia a fita e usava uma luz estroboscópica atrás de uma tira de filme rotativa (para cada tamanho e letra se usa uma tira de filme) para então marcar o papel sensível à luz. Uma boa casa poderia ser comprada pelo preço de três 2961s Compugraphic – e esta era uma máquina tipográfica sem muita qualidade final.

O papel fotográfico exposto a luz passa, então, por um processo químico em uma maquina que gera uma negativo!

Os negativos são então revisados contra a cópia original.

Correções se acumulam, aguardando o tipógrafo.

O tipógrafo digita novamente as linhas ou parágrafos que contenham erros.

As correções são inseridas na história com um estilete.

Em seguida, o editor-chefe digitava as manchetes em uma máquina Compugraphic 7200.  Essa maquina também usava um sistema de filme por trás de um flash que  marcava o papel fotográfico. As tiras de papel fotográfico, que eram cerca de uma polegada de largura e podiam ser de seis metros de comprimento ou mais, eram então desenvolvidos nas maquinas de processo quimico (a menos que alguma tenha se enroscado ao longo do caminho).

Depois disso, o negativo era passado através de  uma máquina de cera .

Finalmente, o tedioso processo de colagem começava. Eram então coladas cada manchete, ou pré-fotografia digitalizada na página, conforme especificado no manequim. Cada elemento deve ser perfeitamente esticado e espaçado adequadamente.

Hoje, tudo isso (e um pouco mais) pode ser feito facilmente e rapidamente com o software de editoração eletrônica e um computador barato. O processo é primitivo pelos padrões de hoje. Muitos jornais já eram totalmente paginados, produzidos inteiramente por computador, sem colagens desde o final de 1980.

Fonte

About

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *